Mercado

Com construção civil estagnada, lojas de materiais de obra apontam queda de 40% de clientes

No canteiro de obras, os trabalhadores apontam incertezas com o cenário econômico.

Com a pandemia da Covid-19, o novo coronavírus, o setor de construção civil estagnou e as lojas de materiais de construção sobrevivem das pequenas vendas. O comércio do setor aponta o registro de 40% na queda de clientes e 23% nas vendas.

Nos bairros, os comerciantes relatam que as pequenas obras nas residências ajudam a fazer com que as vendas não despenquem. Dono de um depósito de materiais no Bairro Tiradentes, Gerson Garcia, de 68 anos, disse que o movimento está ‘até normal’ e acredita que a quarentena e o saque do Auxílio Emergencial têm relação com isso. Ele explica.

“Aqui vendemos mais itens de construção pequeno. Como as pessoas estão em casa, elas estão realizando mais reformas em casa, aí arruma uma tomada, uma torneira, uma fiação. E isso tem movimentado as vendas”, explicou à reportagem. Gerson ainda relata que durante a pandemia, o depósito ‘vendeu feito água’ borrifadores devido ao coronavírus.

Os pequenos comerciantes contam com obras residenciais para sair da crise. Créditos: Divulgação.

O gerente de uma grande rede localizado na Rua 13 de Maio, disse que o movimento de clientes na loja caiu 40% e as vendas despencaram até 23% em relação ao mesmo período do ano passado. Assim como no bairro, a loja está garantindo as vendas através de pequenas reformas.

“Com a pandemia, a classe da construção civil se viu desempregada e as pessoas estão mais focadas na alimentação. Aqui estamos vendendo mais materiais para reformas. Pode até ser uma grande reforma, mas não é uma grande construção”, disse o gerente, que preferiu não se identificar.

Preocupação no canteiro de obras

Créditos: Leonardo de França/ Midiamax.

Em uma obra em andamento no Bairro Tiradentes, a preocupação de como será o amanhã toma conta dos trabalhadores. O encarregado de obra Arabson Vargas, de 38 anos, explicou que antes da pandemia havia um cronograma das obras, mas quando a doença começou a se espalhar, o setor deu uma ‘freada’.

“Não paramos porque estamos finalizando obras que já haviam se iniciado antes da pandemia, mas não tem uma previsão de início de novas obras. A construção civil vinha em uma crescente, agora todos estão com um pouco de dúvida. A princípio tem obras confirmadas, mas vão esperar para ver o impacto da pandemia”, disse.

Em 07 de maio, o presidente Jair Bolsonaro assinou decreto que inclui o setor da construção civil entre atividades essenciais desde que sejam mantidas as determinações do Ministério da Saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.