Mercado

Receita de família; cinco dicas do mercado financeiro para a construção civil

construção civil

O setor de construção civil é formado por empresas que há muito tempo atuam na economia do mercado financeiro. Muitas delas, já estão na segunda ou na terceira geração.

Apesar de ainda não existir um consenso sobre a definição do que é uma empresa familiar, os pesquisadores concordam que no Brasil, a maioria das empresas, principalmente as microempresas, são familiares.

Trata-se de um empreendimento, como outro qualquer, onde os principais gestores são pessoas da mesma família. O negócio familiar é um empreendimento pensado com o objetivo de se passar de geração em geração, e por isso é importante planejar com clareza os objetivos da empresa a longo prazo.

Se por um lado as desvantagens desse tipo de organização são a falta de clareza nos processos e o envolvimento de problemas pessoais nas relações trabalhistas, existem vantagens significativas – os interesses são comuns, a autoridade é definida e reconhecida, e existe flexibilidade nos processos.

Durante oito anos, Diego Dias, CEO da Ekko Group, trabalhou no mercado financeiro, e, buscou nesse tempo de aprendizado, reunir lições que fizeram o diferencial para ele expandir a empresa herdada do pai. A incorporadora é especialista em empreendimentos residenciais de médio e alto-padrão, focada na região de Alphaville, Cotia e Osasco.

Começou sua vida profissional no mercado financeiro para só depois assumir a empresa do pai e entrar no setor de Construção Civil.

construção civil
Em empresa familiar é imprescindível definir a função de cada um e abrir mão de ideias antigas. Foto: Acervo.

Desse período, resumiu que o diferencial da empresa é o foco no cliente: “os processos precisam ser desenvolvidos internamente afim de atingir o objetivo final, sem isso é impossível ter uma empresa escalável. É necessário estruturar todas as áreas em operação – administração, RH, operacional, financeiro -, para que toda a base não fique capenga no processo de expansão,” aponta Diego Dias. A gestão de pessoas, observar o mercado e a profissionalização dos envolvidos, são fatores principais.

Cinco lições herdadas:

  • As pessoas são um pilar fundamental em qualquer companhia. Profissionais certos nas posições certas fazem toda a diferença. Em momentos de baixa econômica, muitas pessoas ótimas ficam disponíveis e estão procuram recolocação no mercado, ou seja, contratar;
  • Estruturação de negócios: o Brasil tem uma economia que oscila muito de ano em ano, então o momento do mercado deve ser levado em consideração. Tem que saber adequar seu modelo de negócio ao momento econômico do país;
  • Empresa familiar precisa se profissionalizar. Para que o negócio se torne mais eficiente, rentável e consiga se tornar escalável, cada integrante precisa definir sua função;
  • Queda de juros. O Brasil está em um período único de queda de juros, aumento da capacidade e uma conjuntura de fatores que tem colocado o País como atrativo no mercado financeiro.

Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.