Mercado

Programa Pode Entrar começa a analisar propostas

Mais uma boa notícia para o setor da Construção Civil. Na última semana, finalmente, a Prefeitura de São Paulo pode receber as propostas e credenciamentos de incorporadoras e construtoras que tem interesse em participar do programa habitacional Pode Entrar.

No programa Pode Entrar a prefeitura irá realizar a compra de 40 mil moradias, no entanto, de acordo com Farias, a iniciativa privada apresentou proposta para construir 104 mil unidades. O certame contou com a participação de 56 empresas e apresentação de 72 projetos.

O secretário espera assinar com as incorporadoras em até 40 dias.

Segundo a prefeitura, esta parceria com a iniciativa privada possibilitará ainda que as unidades habitacionais sejam entregues em menor prazo de tempo.

No modelo tradicional de licitação os prazos demoram em média dois anos e meio para serem concluídos, com início de obra contando três anos, sem contar questões como revisão de valores e questões jurídicas com o TCM, que acabam por causar ainda mais atraso ou paralisando projetos quando precisam ser reavaliados.

A Lei nº 17.638, de autoria do Poder Executivo, cria mecanismos mais ágeis e inovadores na política habitacional do município. Além dos meios tradicionais já utilizados na produção de habitação de interesse social, o “Pode Entrar” também permite à Prefeitura adquirir imóveis privados para essa finalidade, garantindo tempo de entrega e redução de custos na viabilização de unidades habitacionais.

Ponto de destaque é que neste novo formato as empresas selecionadas podem iniciar a construção de seus projetos de forma imediata.

O objetivo é atender principalmente as famílias que estão no auxílio-aluguel da Prefeitura de São Paulo e no cadastro da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (Cohab-SP).

Atualmente, a prefeitura gasta mais de R$ 100 milhões por ano no auxílio-aluguel com famílias removidas de áreas de risco da cidade e aguardam uma unidade habitacional. No cadastro da Cohab, atualmente, há 180 mil famílias cadastradas.

Outro edital prevê a aquisição de 5 mil unidades habitacionais já prontas, segundo o secretário. No entanto, esse processo depende de liberação do TCM. Essa análise deve ocorrer na primeira sessão de fevereiro.

Uma excelente iniciativa que poderá ser adota em breve por outras cidades do Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site é protegido por reCAPTCHA e pelo Googlepolítica de Privacidade eTermos de serviço aplicar.

The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.