Mercado

COP 27 e a construção civil

COP 27 SUSTENTABILIDADE

A a 27ª Conferência do Clima da ONU (Cop 27), realizada esta semana no Egito, não trouxe dados positivos para a Construção Civil quando falamos de sustentabilidade. 

O relatório divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) durante  a COP 27, constatou que o aumento da construção civil provocou uma alta histórica na emissão de carbono em todo o planeta.

Com o resultado, a entidade prevê que o setor não conseguirá cumprir as promessas de descarbonização até 2050, estipulados no Acordo de Paris — um tratado global, adotado em dezembro de 2015 por uma série de países, durante a 21ª Conferência das Partes (COP21). O acordo propõe medidas de redução de emissão de dióxido de carbono e tem como objetivos fortalecer a resposta à ameaça da mudança do clima e reforçar a capacidade dos países para lidar com os impactos gerados por essa mudança.

Por meio desse acordo, os governos se comprometeram em agir para manter o aumento da temperatura média mundial abaixo dos 2 °C em relação aos níveis pré-industriais e em empenhar-se para limitar o aumento a 1,5 °C. Para tanto, os países apresentaram planos de ação nacionais abrangentes para reduzirem as suas emissões.

Desde o período crítico da pandemia, entretanto, o setor da construção civil registrou alta na quantidade de emissões. Ele foi, sozinho, responsável por 34% da demanda mundial de energia no período. O levantamento realizado pelo Pnuma apontou, ainda, que as emissões de CO2 pela construção cresceram 5% em 2021, sendo 2% maior que no pico pré-pandemia, em 2019. Essa energia é consumida na produção de cimento, aço e outros materiais para construção.

ESG SUSTENTABILIDADE
Crédito: Freepik

E no Brasil, como estamos? 

Diversas construtoras associadas ao C3 já implantaram ações  reais para tratar deste assunto e as principais iniciativas na área de sustentabilidade são: 

Gestão de água: visa à economia e à reutilização da água. É sugerida a construção de pequenos blocos de concreto espaçados, que deem lugar para a água escoar e ser armazenada.

Energia renovável: fontes de energia alternativa que podem se tornar principais, como painéis solares, diminuindo o impacto ao meio ambiente e os gastos de quem mantém o imóvel.

Reutilização de materiais: em vez de descartar materiais que não foram usados em obras anteriores, é possível remodelá-los para uso em outras construções.

Materiais moduláveis: é possível iniciar uma obra com materiais reciclados, como plástico e madeira, para construir formas modulares. Além de serem reformados facilmente, eles diminuem o uso de concreto e aço, deixando de prejudicar o meio ambiente.

Inovações tecnológicas: uma delas é a modelagem 3D, que fornece uma prévia da execução da obra no local, evitando desperdícios e possibilitando testes antes de iniciar os trabalhos.

Focar em ações de sustentabilidade, mais do que importante para o mercado, são importantes para o planeta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site é protegido por reCAPTCHA e pelo Googlepolítica de Privacidade eTermos de serviço aplicar.

The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.