Colunistas Hard News Roberta Bigucci

Como produzir com ESG e ainda ser feliz!

BIGUCCI ESG

Parece difícil, mas não é.  Só tem uma regra: tem que fazer de verdade e não apenas para mostrar aos outros. Por que eu digo isso? Porque já vi muitas empresas fazerem ações para mostrar ao auditor ou ao acionista, isso não se sustenta.

É preciso cultivar uma cultura socioambiental, ir fazendo aos poucos, mas sempre, e de verdade. Isso engaja as pessoas.

E de que pessoas estamos falando? De todas que quisermos envolver, porque uma empresa se faz de colaboradores, clientes, parceiros, vizinhos e sociedade.

Comece!

Saia da zona de conforto. É aí que a “mágica” acontece.

E por quê?  Porque o que está no dia a dia, já estamos acostumados e não enxergamos que podemos mudar. É como aquela “tralha” que você tem em casa e que um dia vai arrumar. Com o tempo, a tralha vira objeto de decoração e você nem percebe mais que está lá.

Como eu disse no outro artigo, na construtora MBigucci,  a cultura sempre foi olhar a responsabilidade social e ambiental de dentro para fora, com engajamento primeiro dos nossos diretores e colaboradores. Assim, foram nascendo nossos programas sociais e ambientais, que carinhosamente chamamos de Big’s (Big Riso, Big Vida, Big Vizinhança, Big Conhecimento e Big Ideias).

Vou focar hoje no nosso primeiro Big, o Big Riso, que completou em novembro/2022 sua maioridade (18 anos ). Ele está diretamente ligado à letra S do ESG – Social.

Inspirado no filme “Patch Adams – O Amor é Contagioso”, o Big Riso é um grupo de voluntariado. Iniciamos no dia 8/11/2004, no Ambulatório de Oncopediatria da Faculdade de Medicina do ABC, em Santo André/SP. Passamos a atender também o Hospital Estadual Mário Covas, em Sto André, e o Hospital do Servidor Público Estadual, na Vl. Mariana, em São Paulo.

O objetivo do grupo é alegrar crianças e adolescentes internados ou em tratamento quimioterápico. Vestidos de palhaços, os voluntários realizam brincadeiras, mágicas, contam histórias, desenham, cantam, tirando o foco da doença, divertindo os pacientes. É a chamada “Risoterapia”.

Mas o que isso tem a ver com nosso ramo de atividade? ABSOLUTAMENTE, NADA.

Mas tem a ver com PESSOAS. E são as pessoas que fazem a empresa girar.

São as pessoas que produzem, são as pessoas que entregam qualidade, então se as pessoas estão felizes, se enxergam propósito no que fazem, é obvio que o resultado será melhor, com engajamento e produtividade.

Eu me arrisco a dizer que o Big Riso também está no G de Governança, porque cuidamos de pessoas. Quando nossos colaboradores saem para a visita hospitalar eles cuidam dos pacientes, mas quando voltam ao trabalho, eles valorizam a vida, a saúde e aquele tempo que eles ficaram fora cuidando de outros, eles reveem valores e isso importa para a qualidade do dia a dia. A percepção de estar junto e colaborar com o colega ao lado, faz a diferença no final. Um cuida do outro.

Quando criamos o Big Riso, não se falava em ESG, mas, saímos da zona de conforto e essa “mágica” tem deixado as pessoas mais felizes.

Não se limite ao seu ramo de atividade para praticar o ESG. Se você fizer com amor, vai tornar o seu objetivo, objetivo dos outros, não por imposição, mas por paixão. Todos ao seu redor vão te seguir.

O resultado?  Tente. Inove. Aja e descubra.  Você vai se surpreender.

 

 

Roberta Bigucci

Diretora na MBigucci Construtora

Fundadora e responsável pelo Big Riso – Programa de Responsabilidade Social da MBigucci

Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site é protegido por reCAPTCHA e pelo Googlepolítica de Privacidade eTermos de serviço aplicar.

The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.