Negócios

Tenda registra lucro líquido de R$ 70,5 milhões no 3T20

Volume de vendas recorde e retomada de obras após paralisações em decorrência da pandemia melhoram receita operacional da construtora 

 

A Tenda, uma das principais construtoras e incorporadoras do país, alcançou lucro líquido de R$ 70,5 milhões no terceiro trimestre de 2020, conforme apresentação dos resultados da companhia na noite desta quinta-feira (5). O número apresenta crescimento de 75% frente ao último trimestre, e de 9,1% em comparação ao mesmo período do ano passado.

A companhia registrou o melhor trimestre de lançamentos de sua história, com 17 empreendimentos e um Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 984,2 milhões. As vendas líquidas e brutas no período, que chegaram a R$ 742,1 milhões e R$ 836,1 milhões, respectivamente, também foram as melhores na história da construtora. O VGV acumulado do ano ficou em R$ 1,78 bilhão.

O 3T20 marca a retomada de bons desempenhos operacionais e financeiros pela Tenda, após dois trimestres de efeitos mais severos em função da pandemia de Covid-19. A companhia apresentou desempenho operacional recorde em lançamentos, vendas e repasses, bem como crescimento expressivo na lucratividade e na geração de caixa (R$ 111,5 milhões no 3T).

“Este desempenho atesta mais uma vez a resiliência do mercado de habitação popular brasileiro. Operacionalmente, tivemos lançamentos em 8 das 9 regiões metropolitanas de atuação, sendo 7 empreendimentos somente em São Paulo, permitindo uma boa oferta de produtos em nossas lojas”, explica Renan Sanches, diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Tenda. 

Com isso, as vendas do trimestre tiveram resultados expressivos, potencializadas também por uma redução no percentual de distratos.

No entanto, a Tenda registrou no 3T20 resultado financeiro negativo em R$ 6,7 milhões, devido ao aumento dos spreads das novas dívidas. “A posição de caixa líquido menor e a redução da Selic fizeram com que a rentabilidade das aplicações fosse insuficiente para fazer frente ao custo da dívida, que aumentou com a captação adicional em meio à pandemia”, detalha Renan.

Transformação digital

O desempenho recorde de vendas só foi possível em função da grande transformação digital que a companhia tem promovido desde o ano passado em todo o processo de vendas, tanto para lojas próprias quanto no relacionamento com as empresas de vendas parceiras, permitindo captura de eficiência mesmo em um cenário complexo de distanciamento social.

Para manter as transações em níveis saudáveis, foram necessários investimentos em iniciativas de marketing para direcionamento do fluxo para canais digitais, um dos fatores que fizeram o lucro líquido da companhia ficar em R$ 70,5 milhões neste trimestre. Entre as ferramentas digitais criadas estão um sistema para vendedores autônomos que replica a experiência da loja e a venda virtual 100% online (tenda.com/loja-virtual), testada pela primeira vez em fevereiro com o primeiro Feiraço Online Tenda, em São Paulo.

“Encarar a transformação digital como um imperativo para o sucesso do negócio já era um dos desafios estratégicos da companhia para 2020. Mas, com o fechamento das lojas no início da pandemia, tivemos que acelerar o processo. Hoje, a loja virtual já se mostra uma alterativa tão ágil e de grande aceitação pelo público que seguirá ativa mesmo após o fim da pandemia. De março até agora, foram mais de 15 mil créditos aprovados e 10 mil contratos assinados digitalmente”, destaca Renan.

As lojas físicas da Tenda já foram reabertas e estão seguindo todos os protocolos sanitários de segurança exigidos pelos órgãos competentes.

Construção Off-site

No 3T20, a companhia ainda avançou no projeto de construção de casas off-site, a grande plataforma de crescimento da Tenda para os próximos anos. Os pilotos executados até o momento comprovaram as teses de qualidade do produto e eficiência de produção. Ao longo de 2021, os testes serão expandidos para certificar o modelo de negócios.

A empresa já investiu R$ 6,1 milhões no novo modelo de construção off-site, valor que impactou no lucro líquido da Tenda nos nove primeiros meses de 2020.

Atualmente, a empresa atua somente na construção de empreendimentos verticais em regiões metropolitanas. No entanto, a ideia da companhia é expandir seu público e área de atuações, uma vez que os projetos verticais são interessantes nas grandes cidades e a construção de casas off-site atende a um interesse da população de municípios menores. Com isso, a Tenda poderá associar a baixa escala mínima local e o alto potencial de industrialização.

O projeto off-site da Tenda ganhou recentemente a contribuição de um investidor minoritário, Marcelo Willer, ex-CEO da Alphaville Urbanismo, que tem grande conhecimento no modelo de negócios de loteamento e urbanismo.

O relatório completo com os resultados do terceiro trimestre de 2020 da Tenda pode ser obtido por meio do site de Relações com Investidores: ri.tenda.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.