Negócios

Retrofit – A maior tendência de arquitetura dos últimos tempos

A concorrência em arquitetura ainda crescendo a cada ano que passa. O Retrofit é um nicho que tem se mostrado um cenário com muito potencial para se atuar. No entanto, apesar de cada vez mais em evidência, ainda se confunde o conceito de Retrofit com restauração e até reformas, sendo uma dúvida que permeia muitos profissionais e estudantes de arquitetura sobre o processo. Então vamos direto ao assunto: O que é o retrofit?

De forma clara e simplista trata-se de uma técnica que preserva a arquitetura dos imóveis antigos, modernizando, acrescentando soluções tecnológicas e sustentáveis aos projetos. Mas atenção aos termos, o retrofit não é uma reforma ou restauração!  É um processo de atualização de um ambiente construído que se tornou ultrapassado, de forma que preserve todas as suas características arquitetônicas, sem perder a essência da sua época.

Portanto, diferente da reforma que é a manutenção de uma construção ou da restauração, que apenas preserva uma obra já existente, o retrofit é a modernização e preservação de um espaço que já existe e que possui sua base estrutural íntegra para o seu novo uso. Ou seja, é preciso ser feito alterações e adaptações para atender as novas necessidades de conforto, de acessibilidade, propondo melhorias estéticas adaptando aos novos usos do espaço, como por exemplo, uma edificação antiga de uso habitacional ou industrial passa a ter uso comercial ou corporativo.

REFORMA, RESTAURAÇÃO E RETROFIT ENTENDA A DIFERENÇA.

O retrofit trata-se de uma reciclagem de espaço, a fim de adaptá-los para melhor aproveitamento. A atualização da edificação não precisa ser necessariamente completa, pode ser apenas de um único sistema, como por exemplo, sistema de iluminação, fachada ou características que facilite o novo uso do local. É a Preservação do patrimônio histórico ao mesmo tempo em que permite a utilização adequada do imóvel.

Já na restauração, por exemplo, o apelo histórico é maior, já que a edificação tem sua importância pelo seu valor histórico, a fim das futuras gerações poderem identificá-la como representativo de uma época, por isso é imprescindível manter a identidade, a história e a integridade do local, assim como ele sempre foi.  Restaurar uma edificação é não alterar exatamente nada e se preciso recriar as mesmas condições que o comtemplava.

Quanto à reforma, a edificação é pode ser modificada em sua plenitude, é feito alterações para adequar as novas necessidades e desejos dos usuários. Pendendo ser melhorias tecnológicas, estrutural, e sem a necessidade de manter o aspecto da preservação histórica. Podendo, neste caso, haver até mesmo uma mudança no estilo arquitetônico da construção. Neste processo os profissionais estão para modificar o espaço para solucionar os problemas, pois não há restrições.

FIQUE POR DENTRO DAS VANTAGENS DO RETROFIT

Uma das principais vantagens do retrofit seria a possibilidade de manter ou revigorar um ativo imobiliário adicionando funcionalidade e modernidade aos edifícios e, assim, transformar o uso das construções.

Só com o retrofit é possível pular várias etapas de um processo de construção ou reforma convencional e ganhar tempo nas aprovações e execuções, visto que não há a necessidade de se preparar um terreno ou fazer a fundação, basta manter a estrutura principal do edifício e modernizar as instalações.

Um bom exemplo é reutilizar o espaço de uma fábrica, adaptando e transformando em o novo campus da universidade, ou reaproveitar uma estação de trem antiga em um espaço do governo utilizado para em serviços administrativos para a população.

Orçamento mais acessível:

Com o retrofit é possível gastar menos da metade em comparação quando se inicia uma obra desde o começo..

Aproveitamento das estruturas:

Na maioria dos casos, não se mexe na estrutura, a não ser que alguma esteja comprometida. Então é possível aproveitar muito do imóvel e trocar apenas a parte elétrica e hidráulica, mexer na alvenaria, trocar os pisos, portas etc.

É sustentável:

Essa técnica pode ser sustentável, pois utilizam-se materiais e facilidades modernas que podem economizar água e energia, como a energia solar, por exemplo. O sistema todo no geral, de ventilação, iluminação, e etc, sempre será pensando de forma que ajude o meio ambiente.

Facilidade de venda:

A burocracia de regularizar um imóvel na prefeitura pode ser um processo caro e longo, portanto é melhor contratar os serviços de um especialista, fazer uma reforma interessante com a técnica de retrofit.  Além do que o imóvel pode sofrer uma desvalorização grande no preço pelo fato de precisar de muita reforma, por isso se pensa em vende-lo é interessante usar essa técnica. É um investimento que a longo prazo você agradecerá.

Deixe seu imóvel regularizado com o retrofit:

Outro benefício de implementar o retrofit é que, durante o processo da restauração, é possível regularizar aquele local nas normas exigidas pela prefeitura. Por isso deve-se levar em conta se o imóvel deve estar enquadrado na legislação estipulada pela prefeitura local.  Pois não é possível vender um imóvel, pelo simples fato de não estar regularizado na prefeitura.

O RETROFIT NO MUNDO

A técnica do retrofit surgiu nos Estados Unidos entre os anos 80 e 90. Uma das principais motivações para o surgimento do retrofit em países da Europa e nos Estados Unidos foi justamente a legislação rígida, a discussão sobre a preservação da memória e do patrimônio histórico-arquitetônico, associada à indisponibilidade de espaço para novos empreendimentos em cidades já consolidadas. Tanto na Europa quanto nos Estados Unidos sua expansão foi impelida pela necessidade de sítios uteis em um ambiente legalmente protetivo ao acervo construído. Como não era possível fazer modificações em edifícios históricos que os descaracterizassem por completo. Sem possibilidade de demolição e criação de novas obras, a opção que restava era restaurar o existente. Atualmente, na Europa, cerca de metade de todos os projetos arquitetônicos lançados anualmente são utilizando a técnica de retrofit.

SITUAÇÃO DO RETROFIT NO BRASIL

No Brasil o retrofit é uma técnica pouco disseminada e diversos fatores são citados como obstáculos como por exemplo o retorno financeiro em comparação com empreendimentos novos, a ausência de legislação específica, pois as atuais não fazem distinção entre reforma e retrofit, inviabilizando, em muitos casos, o aproveitamento de edifícios existentes. Outro fator é a escassez de recursos tecnológicos disponíveis, sendo que em sua maioria são inadequados a obras em edificações existentes e mais voltados para edificações novas, e também a falta de familiaridade com essa prática por parte de projetistas e indústria e dos profissionais em geral.

QUANDO E PORQUÊ OPTAR PELO RETROFIT?

 A construção civil é um dos setores que mais consomem recursos naturais. O ritmo imposto por suas atividades afeta todas as cadeias conexas desde o setor primário ao terciário, trazendo para si a responsabilidade irrefutável sobre a criação e manutenção da sustentabilidade, tanto no domínio ambiental, como no econômico e social.  O retrofit é uma opção para um setor mais sustentável e prever a diminuição de impactos gerados em todos os âmbitos de sua atuação.

O retrofit tem um grande impacto no retorno do investimento já que a ideia é requalificar o ativo e melhorar o retorno do valor médio da locação, por exemplo. Já a reforma ou a restauração visam manter ou preservar, sem necessariamente atualizar e modernizar.

Essa técnica pode ser utilizada quando a recuperação reduz custo em comparação a uma construção nova e quando, no caso de uma edificação histórica, essa intervenção cria condições para novas funções e facilita o seu uso. Em qualquer uma dessas situações, o retrofit tem o sentido da renovação! Entretanto, o retrofit necessita que o projeto e planejamento sejam executados por profissionais competentes e especializados no assunto. É justamente nessa parte, inclusive, que o arquiteto com a intenção de trabalhar com retrofit precisa se envolver por completo no estudo desta área.

CONHEÇA OS TIPOS MAIS COMUNS DE RETROFIT

Atualização parte elétrica da edificação:
Muitas empresas e condomínios têm optado em fazer o retrofit da parte elétrica e eletrônica de seus andares utilizando um piso elevado, em vez de colocar os cabeamentos pelo forro. Segundo as fontes consultadas, o resultado é melhor esteticamente, pois os fios ficam menos à mostra, e também facilita os trabalhos de manutenção e instalação dos equipamentos de sistemas de segurança, informática e telefonia.

 Ar-condicionado e sistemas de iluminação:

Pensando na parte estética da reforma, algumas empresas têm instalado um forro de gesso para esconder as instalações de ar condicionado, juntamente com os fios da iluminação.

Portaria, hall e elevadores:

Também com finalidade estética, tem o objetivo de valorizar o patrimônio. Uma simples troca na decoração do hall, no entanto, não constitui o retrofit, pois o retrofit não é maquiar os defeitos, mas sim melhorar e aprimorar as instalações de uma edificação, a fim de adapta-las ao seu novo uso.

Alterações dos andares:

Pode ser tanto visual quanto uma redistribuição da área construída. Nesse último caso, em que se divide um andar, por exemplo, em várias salas ou apartamentos, constitui-se um retrofit com alteração de planta ou projeto. É necessária a aprovação da nova planta na prefeitura ou talvez da própria edificação, visto que muito condomínios tem regras próprias a serem seguidas.

Modernização da fachada:

Moderniza uma fachada pode ser uma alteração radical, como a colocação de estruturas metálicas ou a troca de vidros e janelas, ou alterações mais simples, como a mudança da pintura ou a troca de tintas por pastilhas, também podem ser consideradas retrofit. O objetivo dessas intervenções é estético e pode gerar a valorização do imóvel. Para alterar a fachada de uma edificação também é preciso aprovação da prefeitura local.

 O CENÁRIO DO RETROFIT NO MERCADO IMOBILIÁRIO

Mesmo com o presente cenário de recessão devido à pandemia do novo coronavírus, este resultado pode ser considerado positivo quando comparado a outros setores de atividade econômica, pois representa efeitos da recuperação no setor imobiliário e, em particular, sobre os preços dos imóveis residenciais.

Por ser o retrofit uma área com crescente demanda e exigir constantes atualizações do profissional, é importante que esse futuro arquiteto esteja sempre antenado e nunca pare de estudar. Buscar se atualizar com novos cursos é essencial. Existe muitas especializações, como por exemplo em projetos de iluminação, gerenciamento de projetos, compatibilização de projetos e automação predial. O processo de retrofit, por abordar num mesmo projeto o antigo e o novo, é um projeto complexo, que exige equipe especializada para tornar o projeto de retrofit economicamente viável e funcional.

Por sim, o retrofit surge com a proposta de ajudar atender às necessidades da vida moderna, retirando do mercado os imóveis em mau estado de conservação e com problemas de documentação para devolver à sociedade lares prontos para moradia, com muito mais valor agregado!

Gostou de conhecer mais sobre o retrofit? Então compartilhe com os amigos e nas redes sociais.

Conheça também nossa linha exclusiva para retrofit

https://www.ibratin.com.br/produto/engenharia/linha-retrofit/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.