Mercado

Raio X do mercado de galpões logísticos

galpões logísticos

Se o mercado de lajes corporativas viveu um momento delicado durante a pandemia, o mesmo não se pode afirmar dos galpões logísticos, que estão vivendo um crescimento recorde em todo o país.

E nem mesmo a entrega recorde de 2,2 milhões de metros quadrados (m²) de novas áreas no ano passado foi capaz de melhorar a disponibilidade de galpões de alto padrão no País, que continua restrita.

O aperto provocado pela explosão do e-commerce fez com que 2021 se encerrasse com a menor taxa média de galpões vazios no País em sete anos, de 10,19%, aponta o levantamento da SiiLA, empresa especializada em pesquisa de mercado. 

Raio X do Mercado Brasileiro.

Em Estados do Norte, do Nordeste e do Sul faltam galpões para alugar.

Em Sergipe e Paraíba, a vacância é zero. No Ceará e no Espírito Santo, não chega a 1%. No Amazonas, no Pará, em Goiás e em Santa Catarina está abaixo de 4%.

Até o Estado de São Paulo, que concentra a maior parte dos novos empreendimentos, tem problemas de oferta. A vacância média de São Paulo, de 12,31%, um pouco acima da média nacional, é ainda muito baixa e a menor em sete anos. E em municípios mais cobiçados, como Cajamar e Barueri, essa taxa oscila entre 6% e 7%.

A influência do E-Commerce

“O avanço do e-commerce que houve com a pandemia aumentou a procura por galpões em regiões mais distantes do País, onde a oferta de ativos de melhor qualidade é menor”, afirma Giancarlo Nicastro, CEO da SiiLA e responsável pela pesquisa. Isso levou a uma redução mais rápida da disponibilidade de galpões vazios nessas localidades.

A maior demanda já começa a ter impacto em preços em algumas regiões, principalmente em áreas mais nobres num raio de 30 quilômetros da cidade de São Paulo. O aumento acumulado em dois anos chega a 35%.

Estes e outros temas serão debatidos no próximo Conexões Live.

“Tendências em projetos e construções de empreendimentos logísticos” vai mostrar como grandes empresas do setor estão atuando neste momento e quais as perspectivas para o futuro.

Clique aqui e se inscreva.

Fonte: Estadão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.