Negócios

Áreas comuns de edifícios se modernizam para atender às novas exigências dos moradores

As tendências de construção de edifícios residenciais mudaram em função das necessidades dos clientes.

Em tempos de reinvenção no mercado imobiliário, incorporadoras e construtoras apresentam novidades em seus projetos, especialmente nas áreas comuns dos condomínios. “São benefícios percebidos não só nas preferências de hoje, mas também no que se espera para o futuro”, afirma Leonardo Azevedo, sócio e diretor executivo da Apê11, balcão digital de negócios imobiliários.

Algumas das estruturas mais valorizadas nos empreendimentos modernos são hobby box, bicicletário, lavanderia compartilhada, espaço pet, espaço coworking e garagem com ponto de recarga para carros elétricos. Entenda o que são essas áreas projetadas para garantir o bem-estar dos novos moradores.

 Hobby Box

Créditos: Divulgação.

É como um armário extra do condômino, que geralmente fica na garagem ou no térreo no edifício. É uma nova versão, também mais compacta, do depósito privativo de um apartamento. Nele é possível armazenar itens como bicicleta, caixa de ferramentas, equipamentos de praia, malas ou qualquer outro objeto que não é utilizado com muita frequência. “A razão do Hobby Box nos novos condomínios é a área útil mais reduzida dos imóveis e a prioridade pelo aproveitamento de espaço, sem comprometer a possibilidade do morador ter a possibilidade de armazenar seus materiais para esporte e lazer”, explica Azevedo.

Bicicletário

Créditos: Ape11.

 É cada vez mais comum o uso de modais de transporte para pequenas distâncias pelos paulistanos, tanto para quem escolheu morar mais próximo do trabalho quanto para lazer ou prática de esporte. Por conta disso, ter um bicicletário no condomínio facilita o dia a dia. Outros benefícios que podem fazer parte desta área comum são os pontos de recarga para bicicletas elétricas e a opção de algumas delas terem uso compartilhado.

Lavanderia compartilhada

Créditos: Divulgação.

Apesar de bastante pautada na sustentabilidade, esta não é a única razão de a lavanderia compartilhada trazer vantagens ao condômino e se encaixar nos modelos do futuro. Ela também é bastante econômica e otimiza os recursos. Além disso, o projeto pode dispensar a lavanderia (ou área de serviço) dentro do apartamento, economizando espaço. Normalmente, há dois tipos mais comuns: a lavanderia em que os próprios moradores colocam suas roupas para lavar e secar; e o modelo de serviço, com funcionários e sistema de pagamento por uso. “Isto depende do porte do condomínio, mas ambos costumam trazer facilidades semelhantes. Um ponto extra é a qualidade das máquinas. Como é coletiva, a lavanderia costuma ser equipada com lavadoras e secadoras de ótima performance”, diz o diretor executivo da Apê11.

Espaço Pet

Créditos: Divulgação.

Como o próprio nome diz, é o local dedicado aos animais de estimação dos moradores. Há algumas variações no conceito, como o jardim, espaço para caminhada, para brincadeiras, treinamento e higiene. Pode haver combinações deles também. O limite é a capacidade financeira, o consenso obtido nas assembleias do condomínio ou o projeto da construtora. São mais comuns em apartamentos novos, pela percepção de que o público dos amantes de pets está crescendo e é exigente com os cuidados dos seus bichinhos. São edifícios considerados Pet Friendly.

Coworking (ou Business Place)

Créditos: Divulgação.

É uma tendência bastante comum nos últimos anos. Basicamente, é um escritório compartilhado entre os condôminos, muito útil para quem trabalha remotamente ou quer ter um espaço bem preparado e ergonômico para quando tiver de trabalhar de casa. Com o aumento de profissões autônomas, ele se torna um diferencial. As vantagens incluem uma estrutura que nem sempre o morador consegue ter dentro de seu apartamento, como internet de alta velocidade, mesas, cadeiras, salas de trabalho e de reunião separadas. O custo para o morador costuma ser menor em relação ao de espaços externos alugados. Alguns businesses places incluem até áreas para intervalo, com máquina de café, geladeira e micro-ondas.

Garagem com ponto de recarga para carros elétricos

Créditos: Ape11.

Pode parecer distante, mas o uso de carros elétricos já é uma realidade e a expectativa é que aumente cada vez mais. Já há sistemas de cobrança pelo uso da recarga, como aplicativos ou cartões, que entram na taxa de condomínio no final do mês. Além de mais ecológicos por não poluírem o ar nem queimarem combustível, o aproveitamento de energia é mais eficiente, propiciando economia para o usuário e preservação dos recursos naturais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.