Negócios

Acessibilidade aplicada e seus três pilares

Conversamos com o especialista, Eduardo Ronchetti, que há quinze anos trabalha com projetos em acessibilidade para residências e ambientes corporativos.

A maioria das pessoas não enxergam esses detalhes, mas para quem necessita de um ambiente adaptado, detalhes como: a inclinação máxima de uma rampa acessível, o espaço entre as portas, corredores e banheiros, são essenciais para quem possui algum tipo de deficiência. Alguns projetos têm um peso maior na hora dos investimentos para quem busca acomodações.

Para compreender como é possível adaptar espaços com maior segurança à deficientes, idosos e crianças conversamos com o arquiteto Eduardo Ronhetti, especialista em acessibilidade.

Confira:

Projeto sanitário acessível. Créditos: Site Eduardo Ronchetti.

Portal C3 – Quais os erros mais comuns que você encontra quando vistoria obras ou examina projetos?

Eduardo Ronchetti – Não entendo como “erros de acessibilidade”, mas como itens que antes não eram de conhecimento dos profissionais e agora foram compreendidos e começam a ser aplicados corretamente nos projetos e nas obras.

Um imóvel pode ser totalmente acessível, não exclusivamente para pessoas com deficiências físicas, mas crianças e idosos. Uma moradia, uma cidade e um ambiente corporativo inclusivo, são partes do meu projeto de vida.

Projeto de piso tátil. Créditos: Site Eduardo Ronchetti.

 Portal C3 – Quais foram os avanços que a Norma NBR 9050 trouxe para as questões de acessibilidade?

Eduardo Ronchetti: O maior avanço está descrito no próprio escopo da NBR 9050/2015, ao definir que a acessibilidade tem por objetivo atender “a maior quantidade possível de pessoas”.

Significa dizer que a acessibilidade pretende garantir a utilização dos ambientes às pessoas com deficiência sim, mas também às pessoas idosas, obesas, gestantes, crianças ou qualquer pessoa.

É um avanço importante para a melhoria na qualidade de vida das pessoas e no uso das edificações em nosso Brasil.

Créditos: Site Eduardo Ronchetti.

Portal C3 – Um dos principais desafios para a pessoa com deficiência é morar bem. Um imóvel comprado na planta já com as modificações fica em média 2% mais caro, muitos acabam desistindo devido ao alto custo das reformas. Seu principal objetivo é: “ajudar com a acessibilidade, através de soluções técnicas e com o melhor custo-benefício, deixar o imóvel 100% acessível, de acordo com as Normas Técnicas brasileiras.” Um imóvel com as alterações feitas na planta, custa menos do que um imóvel que precisa sofrer adaptações após a construção?

Eduardo Ronchetti: Atualmente o Brasil conta com o Decreto Federal 9451/2018 que determina que os novos apartamentos a serem projetados e construídos tenham condições de se tornarem acessíveis sem que, para isso, sejam alteradas as condições elétricas, hidráulicas e estruturais da edificação.

Esse avanço permite que as adaptações dos apartamentos se tornem mais viáveis e menos onerosas, beneficiando toda a indústria da construção civil e principalmente o usuário final., pois um imóvel com as alterações feitas na planta custa menos do que um imóvel que precisa sofrer adaptações após a construção.

Casas livres de obstáculos garantem longevidade aos idosos. Crédito: Site Eduardo Ronchetti.

Portal C3 – Quais os principais acidentes que acontecem quando não existe um ambiente preparado para moradores que necessitam de acessibilidade?

Eduardo Ronchetti: As quedas na cozinha e no banheiro são os principais causadores da perda da mobilidade e autonomia, principalmente entre as pessoas idosas e os cuidados para garantir a autonomia, conforto e a segurança devem ser observados, podendo destacar entre eles:

–       Utilização de pisos antiderrapante;

–       Iluminação com quantidade de LUX superior a 150;

–       Altura adequada de tomadas e interruptores;

–       Faixa de alcance adequada para objetos colocados nas prateleiras e no mobiliário;

Créditos: Eduardo Ronchetti.

 Portal C3 – A Lei Brasileira de Acessibilidade obriga o poder público a garantir condições de acessibilidade em todo transporte, calçadas, travessias. Na sua opinião, como está a acessibilidade das cidades brasileiras? Existem soluções viáveis para que essas Leis sejam seguidas?

Eduardo Ronchetti: Em minha opinião as regiões metropolitanas brasileiras já estão incorporando a acessibilidade de forma consciente e essa exigência começa a alcançar as cidades menores em todo o território nacional. Porém, é muito importante comentar aqui que a responsabilidade pela garantia da acessibilidade, além de ser do órgão público, também é do Responsável técnico, arquiteto ou engenheiro que, ao emitir a sua ART ou RRT de um projeto ou de uma obra deve declarar o atendimento às questões de acessibilidade.

 Ainda na faculdade de arquitetura, em 2000, preocupado com as condições de acessibilidade, reuniu um grupo de arquitetos e psicólogos e às ruas, em cadeira de rodas, olhos vendados e muletas, para verificar como os arquitetos poderiam fazer para deixar as cidades e edificações mais acessíveis a todos.

“De lá pra cá eu não parei mais”, conclui Eduardo Ronchetti.

A Norma NBR 9050, com última alteração em 2018, revê algumas condições e trouxe benefícios para as questões de acessibilidade. Resta saber se os profissionais estão cientes dessas transformações e métodos adequados no momento de aplicar as regras em seus projetos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *